Mudanças entre as edições de "Grupo - Conservação do Parâmetro de Ordem"

De Física Computacional
Ir para: navegação, pesquisa
Linha 4: Linha 4:
  
 
Apesar da estrutura matemática muito similar ao modelo de Ising, o modelo de CPO com sua simples condição de conservação do parâmetro de ordem aliado a condições de contorno permite que se modele sistemas marcadamente diferentes do tradicional sistema de ferromagneto tais como o gás de rede onde é possível estudar o comportamento de interfaces vapor-sólido ou vapor-líquido em condições de equilíbrio como por exemplo o equilíbrio entre água líquida e seu vapor ou entre gelo e vapor d'água.
 
Apesar da estrutura matemática muito similar ao modelo de Ising, o modelo de CPO com sua simples condição de conservação do parâmetro de ordem aliado a condições de contorno permite que se modele sistemas marcadamente diferentes do tradicional sistema de ferromagneto tais como o gás de rede onde é possível estudar o comportamento de interfaces vapor-sólido ou vapor-líquido em condições de equilíbrio como por exemplo o equilíbrio entre água líquida e seu vapor ou entre gelo e vapor d'água.
 
===Gás de rede===
 
  
 
O gás de rede é um modelo simplificado de um gás real onde se associa a cada ponto da rede uma partícula (átomo) ou sua ausência (vacância). Ao contrário do gás real a coordenada do movimento não é contínua, pois as partículas se movem de maneira discreta somente pelos vértices da rede.  
 
O gás de rede é um modelo simplificado de um gás real onde se associa a cada ponto da rede uma partícula (átomo) ou sua ausência (vacância). Ao contrário do gás real a coordenada do movimento não é contínua, pois as partículas se movem de maneira discreta somente pelos vértices da rede.  
Linha 125: Linha 123:
  
 
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>\frac{1}{2}(1-|m|) = \rho_- \le \rho \le \rho_+ = \frac{1}{2}(1+|m|)</math></div>
 
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>\frac{1}{2}(1-|m|) = \rho_- \le \rho \le \rho_+ = \frac{1}{2}(1+|m|)</math></div>
 
===Coexistência de fase===
 
  
 
Para valores de <math>\rho</math> fora do intervalo <math>\rho_- \le \rho \le \rho_+</math> ainda é possível que uma região do sistema favoreça uma das duas densidades preferenciais. Suponha que se tenha <math>\rho < \rho_-</math>. Nesse caso o sistema possui menos partículas do que precisa pra atingir o a densidade <math>\rho_+</math>. Ainda que localmente seja possível o sistema atingir a densidade <math>\rho_+</math> isso leva a uma falta ainda maior de partículas em outras regiões do sistema sendo, portanto, energeticamente custoso. A opção energeticamente mais favorável adotada pelo sistema é distribuir as poucas partículas homegeneamente pela rede. Esse comportamento é observado na simulação.
 
Para valores de <math>\rho</math> fora do intervalo <math>\rho_- \le \rho \le \rho_+</math> ainda é possível que uma região do sistema favoreça uma das duas densidades preferenciais. Suponha que se tenha <math>\rho < \rho_-</math>. Nesse caso o sistema possui menos partículas do que precisa pra atingir o a densidade <math>\rho_+</math>. Ainda que localmente seja possível o sistema atingir a densidade <math>\rho_+</math> isso leva a uma falta ainda maior de partículas em outras regiões do sistema sendo, portanto, energeticamente custoso. A opção energeticamente mais favorável adotada pelo sistema é distribuir as poucas partículas homegeneamente pela rede. Esse comportamento é observado na simulação.
Linha 134: Linha 130:
 
* E outra em que <math>\rho\not\in[\rho_-,\rho_+]</math> tendo densidade homogênea  
 
* E outra em que <math>\rho\not\in[\rho_-,\rho_+]</math> tendo densidade homogênea  
  
Com <math>/rho</math> sujeito ao intervalo <math>\frac{1}{2}(1-|m|) \le \rho \le \frac{1}{2}(1+|m|)</math> conclui-se que <math>/rho</math> pode assumir um intervalo menor de valores a medida que <math>|m|</math> diminui. A magnetização diminui sob o aumento da temperatura. Acima da temperatura crítica a <math>|m|=0</math> e portanto o intervalo <math>\frac{1}{2}(1-|m|) \le \rho \le \frac{1}{2}(1+|m|)</math> reduz-se a zero evidenciando que não existe mais um valor de <math>\rho</math> que evite a homogeinização da rede.
+
Com <math>\rho</math> sujeito ao intervalo <math>\frac{1}{2}(1-|m|) \le \rho \le \frac{1}{2}(1+|m|)</math> conclui-se que <math>/rho</math> pode assumir um intervalo menor de valores a medida que <math>|m|</math> diminui. A magnetização diminui sob o aumento da temperatura. Acima da temperatura crítica a <math>|m|=0</math> e portanto o intervalo <math>\frac{1}{2}(1-|m|) \le \rho \le \frac{1}{2}(1+|m|)</math> reduz-se a zero evidenciando que não existe mais um valor de <math>\rho</math> que evite a homogeinização da rede.
  
 
A discussão acima pode ser apresentada resumidamente pelo diagrama de fases:
 
A discussão acima pode ser apresentada resumidamente pelo diagrama de fases:
  
[[Arquivo:Cop_phase_diagram.png|frame|200px|center|Diagrama de fases do modelo CPO. Fase homogênea para temperaturas além da temperatura crítica e fase coexistente abaixo com densidades preferenciais <math>\rho_+</math> e <math>\rho_-</math>]]
+
[[Arquivo:Cop_phase_diagram.png|frame|50px|center|Diagrama de fases do modelo CPO. Fase homogênea para temperaturas além da temperatura crítica e fase coexistente abaixo com densidades preferenciais <math>\rho_+</math> e <math>\rho_-</math>]]
  
 
Esse comportamento é observado quando se diminui a temperatura de vapor d'agua que passa a formar gotas líquidas que coexistem com o vapor para um intervalo de temperaturas. A fase condensada do gás de rede, no entanto, é mais adequadamente interpretada como um sólido devido a posição fixa das partículas (análogas a moléculas ou átomos) na rede, dessa forma, falamos de interface vapor/sólido ao invés de vapor/líquido.
 
Esse comportamento é observado quando se diminui a temperatura de vapor d'agua que passa a formar gotas líquidas que coexistem com o vapor para um intervalo de temperaturas. A fase condensada do gás de rede, no entanto, é mais adequadamente interpretada como um sólido devido a posição fixa das partículas (análogas a moléculas ou átomos) na rede, dessa forma, falamos de interface vapor/sólido ao invés de vapor/líquido.
Linha 144: Linha 140:
 
==Implementação==
 
==Implementação==
  
 +
Sistemas físicos em equilíbrio com muitos graus de liberdade e no limite termodinâmico comportam-se de tal forma que ao flutuarem de um estado <math>\mu</math> para um estado <math>\nu</math> tem-se que <math>\nu</math> difere pouco de <math>\mu</math>. Outra maneira de dizer isso é que as flutuações dessa tipo de sistema físico são muito pequenas em relação ao número de configurações possíveis e que portanto o sistema passa a maior parte do tempo alternando entre um pequeno conjunto de configurações. A consequência disso é que pode-se escolher uma estratégia de visitar com maior probabilidade apenas a fração de estados do sistema, as quais mais contribuem para atingir o equilíbrio ao invés de se visitar todos os estados indistintamente. No modelo de ferromagneto, por exemplo, com uma rede <math>10\times 10\times 10</math>, há <math>2^{1000} \simeq 10^{300}</math> configurações possíveis sendo que mesmo com um supercomputador seria impraticável realizar essa simulação. O método de Monte Carlo consiste em visitar eficientemente uma pequena fração desses estados e atingir rapidamente o equilíbrio em poucos passos e o peso que define como visitar o estado seguinte é dado pela distribuição de Boltzmann <math>e^{\beta(E_\nu-E_\mu)}</math> onde fica claro que quanto mais diferente <math>\nu</math> for de <math>\mu</math> menor a change de fazer a transição <math>\mu\to\mu</math>
 +
 +
Dessa forma impõe-se que no equilíbrio o sistema obedeça a distribuição de Boltzmann, portanto a condição de balanço detalhado dá liberdade na escolha de <math>P(\mu\to\nu)</math> e <math>P(\nu\to\mu)</math> desde que seja satisfeita:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>\frac{g(\mu)}{g(\nu)}\frac{A(\mu\to\nu)}{A(\nu\to\mu)} = e^{\beta(E_\nu-E_\mu)}</math></div>
 +
 +
Uma possível escolha para <math>A(\mu\to\nu)</math> seria:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>A(\mu\to\nu)=A_0e^{-\frac{1}{2}\beta(E_\nu-E_\mu)}</math></div>
 +
 +
Como <math>A_0</math> é cancelada na razão entre probabilidades de aceitação temos a liberdade na sua escolha desde que mantenha a probabilidade menor ou igual a um. No modelo de Ising, por exemplo, a maior diferença de energia que se pode obter entre estados é <math>\Delta E = E_\nu-E_\mu = \pm 2zJ</math> o que significa que o maior valor de <math>e^{-\frac{1}{2}\beta(E_\nu-E_\mu)}</math> é justamente <math>e^{\beta zJ}</math>. Assim, para garantir que a probabilidade seja menor ou igual a 1 deve-se escolher <math>A_0 \le e^{-\beta zJ}</math>
 +
 +
Para que o algoritmo seja eficiente deseja-se que a probabilidade de aceitação seja a maior possível, pois do contrário estaríamos utilizando tempo computacional apenas para rejeitar trocas de estado. Portanto queremos que <math>A_0</math> assuma o maior valor possível <math>A_0 = e^{\beta zJ}</math>, maximizando <math>A(\mu\to\nu)</math>:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>A(\mu\to\nu)=e^{-\frac{1}{2}\beta(E_\nu-E_\mu+2\beta z J)}</math></div>
 +
 +
Devido a condição de balanço detalhado, essa escolha implica:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>A(\nu\to\mu)=e^{-\beta z J}</math></div>
 +
 +
Metropolis percebeu que desde que a condição de balanço detalhado seja satisfeita tem-se liberdade na escolha das probabilidades de aceitação. Então ele decidiu atribuir o maior valor possível para a probabilidade de aceitação que tem o maior valor entre as duas, no caso <math>A(\nu\to\mu)</math>, ou seja:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>A(\nu\to\mu)=1</math></div>
 +
 +
O que implica:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>A(\mu\to\nu)=e^{-\beta(E_\nu-E_\mu)}</math></div>
 +
 +
Dessa forma a transição de estados sempre ocorre se <math>E_\nu < E_\mu</math> ou seja <math>\Delta E <= 0</math> mas pode ou não ocorrer caso seja <math>\Delta E > 0</math> com uma probabilidade dada por <math>e^{-\beta(E_\nu-E_\mu)}</math>. Em suma:
 +
 +
<math>
 +
A(\mu\to\nu) = \begin{cases}
 +
e^{-\beta(E_\nu-E_\mu)} \ \mbox{ se } \ E_\nu - E_\mu > 0\\
 +
1 \  \mbox{ caso contrario}\\
 +
\end{cases}
 +
</math>
 +
 +
===Gás de rede===
 +
 +
Para obedecer a condição de conservação da magnetização não é permitido alterar um spin individualmente (ou um número ímpar de spins). Uma maneira de tratar a dinâmica desse sistema foi proposta por Kawasaki e consiste em simplesmente alternar o estado de spin de um par de
 +
partículas que tenham estados de spin oposto, ou seja:
 +
 +
<math>
 +
\begin{cases}
 +
\uparrow \uparrow ou \downarrow \downarrow \quad\to\quad \text{nada a fazer} \\
 +
\uparrow \downarrow \quad\to\quad \downarrow \uparrow\\
 +
\downarrow \uparrow \quad\to\quad \uparrow \downarrow\\
 +
\end{cases}
 +
</math>
 +
 +
É evidente que nesse caso a mudança na magnetização é conservada pois a troca de spins resulta em variação de magnetização nula.
 +
 +
Cada ponto da rede possui <math>z</math> vizinhos e portanto a cada passo de iteração deve-se sortear com qual dos vizinhos será feita uma tentativa de troca de spins. Essa escolha é feita aleatoriamente (uniforme). Uma vez escolhido um vizinho deve-se decidir se a troca deve ser feita ou não. Essa decisão é tomada com base no método de Monte Carlo, em particular, com a probabilidade de aceitação de Metropolis exatamente como exposto na seção acima.
 +
 +
A '''ergodicidade''' é satisfeita pelo sistema pois um passo de Monte Carlo corresponde a uma troca entre vizinhos que numa rede finita pode ser efetuada a partir de outro estado qualquer em número finito de passos
 +
 +
Como já foi mencionado a rede possui <math>N</math> pontos e número de coordenação <math>z</math> o que resulta em <math>\frac{1}{2}zN</math> pares de primeiros vizinhos, portanto, a probabilidade de selecionar um par qualquer é dada por:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>g(\mu\to\nu) = \frac{1}{\frac{1}{2}zN} = \frac{2}{zN}</math></div>
 +
 +
A probabilidade de seleção <math>g(\nu\to\mu)</math> é a mesma fazendo com que esses termos se cortem na condição de balanço detalhado e permitindo que se aplique a escolha de Metropolis discutida acima sem alterações.
 +
 +
Para efetivamente tomar a decisão sobre a troca entre vizinhos onde <math>\Delta E</math> é necessário especificar como é feito seu cálculo. <math>\Delta E</math> é dado pela seguinte expressão:
 +
 +
<div class="center" style="width: auto; margin-left: auto; margin-right: auto;"><math>\Delta E = E_\nu-E_\mu = 2J\left[s_k^\mu\sum_{i\not\in\{k',k\}}s_i^\mu+s_{k'}^\mu\sum_{j\not\in\{k,k'\}}s_j^\mu\right]</math></div>
 +
 +
Seja um ponto da rede <math>k</math> e <math>k'</math> primeiro vizinho de <math>k</math>. Deseja-se calcular a energia de interação entre esse par. A expressão acima apenas diz que deve-somar os produtos do spin de <math>k</math>, <math>(s_k)</math>, com seus primeiros vizinhos <math>s_i</math> excluindo-se da soma tanto <math>k</math> quanto <math>k'</math>. Faz-se o mesmo procedimento para <math>k'</math>, ou seja, soma-se os produtos do spin <math>k'</math>, <math>(s_{k'})</math>, com todos os seus primeiros vizinhos <math>s_j</math> exceto ele mesmo e <math>k</math>. A soma dessas duas quantidades multiplicadas por <math>2J</math> é igual a diferença de energia entre a configuração <math>\mu</math> e a <math>\nu</math>
 +
 +
==Simulação==
 +
 +
Foram simulados três sistemas diferentes os quais são discutidos a seguir.
 +
 +
===Interface linear===
 +
 +
Esse sistema como condição inicial uma rede com a região da metade inferior completamente populada por partículas
 +
 +
[[Arquivo:cop500iterinstepsof10.gif|frame|center|description]]
 +
 +
===Interface circular===
 +
 +
[[Arquivo:copSquare500iterinstepsof10.gif|frame|center|description]]
 +
 +
[[Arquivo:copSquare100-iloveimg-compressed.gif|frame|center|description]]
 +
 +
===Interface esférica===
 +
 +
[[Arquivo:cop3D500instepsof10.gif|frame|center|description]]
 +
 +
[[Arquivo:cop3D250instepsof5.gif|frame|center|description]]
 +
 +
[[Arquivo:cop3D250instepsof5round.gif|frame|center|description]]
  
 
==Equilíbrio==
 
==Equilíbrio==

Edição das 19h19min de 24 de janeiro de 2018

Introdução

O modelo de Ising possui características universais que permitem aplicá-lo a situações diversas sendo tão versátil a ponto de descrever desde ferromagnetos até interações sociais. Dentro dessa gama de possibilidades existe o modelo de Conservação do Parâmetro de Ordem (CPO) em que, como o nome indica, mantém-se o parâmetro de ordem constante. No caso de um ferromagneto o parâmetro de ordem é a magnetização, portanto, um modelo de Ising sujeito CPO a grandeza análoga à magnetização se manteria constante a cada passo da simulação.

Apesar da estrutura matemática muito similar ao modelo de Ising, o modelo de CPO com sua simples condição de conservação do parâmetro de ordem aliado a condições de contorno permite que se modele sistemas marcadamente diferentes do tradicional sistema de ferromagneto tais como o gás de rede onde é possível estudar o comportamento de interfaces vapor-sólido ou vapor-líquido em condições de equilíbrio como por exemplo o equilíbrio entre água líquida e seu vapor ou entre gelo e vapor d'água.

O gás de rede é um modelo simplificado de um gás real onde se associa a cada ponto da rede uma partícula (átomo) ou sua ausência (vacância). Ao contrário do gás real a coordenada do movimento não é contínua, pois as partículas se movem de maneira discreta somente pelos vértices da rede. Pode-se refinar o modelo de diversas formas:

  • Conferindo inércia às partículas
  • Alterando a forma da rede (quadrada, hexagonal, fcc, bcc, cúbica)
  • Incluindo partículas de tipos diferentes com interações comum a seu respectivo tipo
  • Presença e/ou tipos de colisões

No entanto, uma versão simplificada (e simples de simular) desse modelo é suficiente para reproduzir qualitativamente o comportamento de interfaces.

Teoria

No modelo simplificado do gás de rede as partículas (sem inércia), movem-se de forma aleatória sob excitação térmica e satisfazem as seguintes condições:

  1. O número total de partículas é fixo: nenhuma partícula deixa ou entra no sistema, portanto, caso desapareça a partícula deve reaparecer em outro ponto da rede no mesmo passo de simulação.
  2. Um ponto da rede pode ser ocupado por uma única partícula ou permanecer vazio (não ocupado). Essa é uma maneira grosseira de assimilar o caráter físico de repulsão do gás real onde partículas não podem interpenetrar-se devido a exclusão de Pauli.
  3. Se duas partículas são primeiras vizinhas uma da outra elas sentem uma atração que é a mesma para qualquer par de partículas. Essa condição modela o efeito de atração entre partículas de um gás real.

As forças de atração e repulsão num gás real não possuem alcance de mesma ordem. A repulsão é de curto alcance enquanto a atração é de longo-alcance. Embora o presente modelo trate as partículas como se o alcance de repulsão e atração fossem da mesma ordem, ainda é possível extrair propriedades físicas que tem paralelo com o gás real tais como transições de fase e formato de interfaces.

A cada ponto da rede associamos o valor se houver uma partícula nesse ponto ou caso contrário. Representamos essa variável por , ou seja, no iésimo ponto da rede a variável pode assumir apenas os valores ou , ou resumidamente:

A conservação do número de partículas exige que se tenha:

Onde é a densidade de partículas e é o número total de partículas, sendo, portanto, o número de pontos ocupados da rede.

O hamiltoniano do sistema é modelado a partir da condição 2 exposta acima em que é especificado que um par de primeiros vizinhos na rede contribui para a diminuição da energia do sistema por uma quantidade :

Onde denota soma sobre todos os pares de primeiros vizinhos da rede.

Equivalência ao modelo de Ising

Para mostrar a equivalência com o modelo de Ising definimos a seguinte variável:

Essa nova variável é nada mais do que o spin no modelo de Ising para um ferromagneto assumindo os valores:

  • quando , ou seja, posição ocupada por partícula; ou
  • quando , ou seja, posição não ocupada

Em termos da variável de spin é dada por:

Substituindo no Hamiltoniano tem-se:

Seja o número de coordenação da rede, ou seja, o número de primeiros vizinhos ( para rede quadrada e para rede cúbica simples). Para uma dada rede existem possíveis pares distintos

Pode-se simplificar esssa expressão com base nas seguintes observações:

  • Os somatórios em e são idênticos exceto pelo índice.
  • A soma sobre pares de vizinhos é equivalente a somar vezes sobre o número de pontos da rede:
  • pode ser escrito em termos das constantes e assim como ocorre com

Dessa forma o Hamiltoniano se reduz a:

Seja J = e observando que é uma constante pois todos seus termos são constantes, chegamos na equivalência com o Hamiltoniano do modelo de Ising na ausência de campo magnético:

O valor esperado de qualquer quantidade física não é alterado pela adição de uma constante ao hamiltoniano:

Conservação do parâmetro de ordem

A magnetização do sistema é nada mais do que a soma de spins que já calculamos acima:

No entanto, e devem permanecer constantes durante toda a simução, isso implica que a magnetização também é sempre constante, ou seja, a magneticação é o parâmetro de ordem conservado nesse sistema fato que dá nome ao método.

É vantajoso tratar o modelo de gás de rede sob a perspectiva de um modelo de Ising pois todo o arcabouço de técnicas amplamente conhecidas e extensivamente estudadas para o modelo de Ising podem ser aplicadas.

Apesar das similaridades, o gás de rede, como definido, possui muito menos estados válidos pois não é permitido alterar a magnetização do sistema enquanto no modelo de Ising qualquer spin individual pode ser invertido sem restrições pois a magnetização não precisa se manter constante.

Transição de fase

Aproveitando a equivalência estabelecida entre gás de rede e o modelo de Ising sabe-se que o sistema possui uma transição de fase que ocorre a uma temperatura crítica . Rearranjando a densidade de pontos (equivalente agora a spins up) tem-se:

No modelo de Ising sabe-se também que abaixo da temperatura crítica existem dois valores de equilíbrio para a magnetização que são e , portanto, para favorecer a coexistência de fases tem-se que:

Para valores de fora do intervalo ainda é possível que uma região do sistema favoreça uma das duas densidades preferenciais. Suponha que se tenha . Nesse caso o sistema possui menos partículas do que precisa pra atingir o a densidade . Ainda que localmente seja possível o sistema atingir a densidade isso leva a uma falta ainda maior de partículas em outras regiões do sistema sendo, portanto, energeticamente custoso. A opção energeticamente mais favorável adotada pelo sistema é distribuir as poucas partículas homegeneamente pela rede. Esse comportamento é observado na simulação.

Dessa forma, no caso de o sistema possui duas fases:

  • Uma em que se dividindo em dois domínios cada qual favorecendo uma das duas densidades
  • E outra em que tendo densidade homogênea

Com sujeito ao intervalo conclui-se que pode assumir um intervalo menor de valores a medida que diminui. A magnetização diminui sob o aumento da temperatura. Acima da temperatura crítica a e portanto o intervalo reduz-se a zero evidenciando que não existe mais um valor de que evite a homogeinização da rede.

A discussão acima pode ser apresentada resumidamente pelo diagrama de fases:

Diagrama de fases do modelo CPO. Fase homogênea para temperaturas além da temperatura crítica e fase coexistente abaixo com densidades preferenciais e

Esse comportamento é observado quando se diminui a temperatura de vapor d'agua que passa a formar gotas líquidas que coexistem com o vapor para um intervalo de temperaturas. A fase condensada do gás de rede, no entanto, é mais adequadamente interpretada como um sólido devido a posição fixa das partículas (análogas a moléculas ou átomos) na rede, dessa forma, falamos de interface vapor/sólido ao invés de vapor/líquido.

Implementação

Sistemas físicos em equilíbrio com muitos graus de liberdade e no limite termodinâmico comportam-se de tal forma que ao flutuarem de um estado para um estado tem-se que difere pouco de . Outra maneira de dizer isso é que as flutuações dessa tipo de sistema físico são muito pequenas em relação ao número de configurações possíveis e que portanto o sistema passa a maior parte do tempo alternando entre um pequeno conjunto de configurações. A consequência disso é que pode-se escolher uma estratégia de visitar com maior probabilidade apenas a fração de estados do sistema, as quais mais contribuem para atingir o equilíbrio ao invés de se visitar todos os estados indistintamente. No modelo de ferromagneto, por exemplo, com uma rede , há configurações possíveis sendo que mesmo com um supercomputador seria impraticável realizar essa simulação. O método de Monte Carlo consiste em visitar eficientemente uma pequena fração desses estados e atingir rapidamente o equilíbrio em poucos passos e o peso que define como visitar o estado seguinte é dado pela distribuição de Boltzmann onde fica claro que quanto mais diferente for de menor a change de fazer a transição

Dessa forma impõe-se que no equilíbrio o sistema obedeça a distribuição de Boltzmann, portanto a condição de balanço detalhado dá liberdade na escolha de e desde que seja satisfeita:

Uma possível escolha para seria:

Como é cancelada na razão entre probabilidades de aceitação temos a liberdade na sua escolha desde que mantenha a probabilidade menor ou igual a um. No modelo de Ising, por exemplo, a maior diferença de energia que se pode obter entre estados é o que significa que o maior valor de é justamente . Assim, para garantir que a probabilidade seja menor ou igual a 1 deve-se escolher

Para que o algoritmo seja eficiente deseja-se que a probabilidade de aceitação seja a maior possível, pois do contrário estaríamos utilizando tempo computacional apenas para rejeitar trocas de estado. Portanto queremos que assuma o maior valor possível , maximizando :

Devido a condição de balanço detalhado, essa escolha implica:

Metropolis percebeu que desde que a condição de balanço detalhado seja satisfeita tem-se liberdade na escolha das probabilidades de aceitação. Então ele decidiu atribuir o maior valor possível para a probabilidade de aceitação que tem o maior valor entre as duas, no caso , ou seja:

O que implica:

Dessa forma a transição de estados sempre ocorre se ou seja mas pode ou não ocorrer caso seja com uma probabilidade dada por . Em suma:

Gás de rede

Para obedecer a condição de conservação da magnetização não é permitido alterar um spin individualmente (ou um número ímpar de spins). Uma maneira de tratar a dinâmica desse sistema foi proposta por Kawasaki e consiste em simplesmente alternar o estado de spin de um par de partículas que tenham estados de spin oposto, ou seja:

É evidente que nesse caso a mudança na magnetização é conservada pois a troca de spins resulta em variação de magnetização nula.

Cada ponto da rede possui vizinhos e portanto a cada passo de iteração deve-se sortear com qual dos vizinhos será feita uma tentativa de troca de spins. Essa escolha é feita aleatoriamente (uniforme). Uma vez escolhido um vizinho deve-se decidir se a troca deve ser feita ou não. Essa decisão é tomada com base no método de Monte Carlo, em particular, com a probabilidade de aceitação de Metropolis exatamente como exposto na seção acima.

A ergodicidade é satisfeita pelo sistema pois um passo de Monte Carlo corresponde a uma troca entre vizinhos que numa rede finita pode ser efetuada a partir de outro estado qualquer em número finito de passos

Como já foi mencionado a rede possui pontos e número de coordenação o que resulta em pares de primeiros vizinhos, portanto, a probabilidade de selecionar um par qualquer é dada por:

A probabilidade de seleção é a mesma fazendo com que esses termos se cortem na condição de balanço detalhado e permitindo que se aplique a escolha de Metropolis discutida acima sem alterações.

Para efetivamente tomar a decisão sobre a troca entre vizinhos onde é necessário especificar como é feito seu cálculo. é dado pela seguinte expressão:

Seja um ponto da rede e primeiro vizinho de . Deseja-se calcular a energia de interação entre esse par. A expressão acima apenas diz que deve-somar os produtos do spin de , , com seus primeiros vizinhos excluindo-se da soma tanto quanto . Faz-se o mesmo procedimento para , ou seja, soma-se os produtos do spin , , com todos os seus primeiros vizinhos exceto ele mesmo e . A soma dessas duas quantidades multiplicadas por é igual a diferença de energia entre a configuração e a

Simulação

Foram simulados três sistemas diferentes os quais são discutidos a seguir.

Interface linear

Esse sistema como condição inicial uma rede com a região da metade inferior completamente populada por partículas

description

Interface circular

description
description

Interface esférica

description
description
description

Equilíbrio