Mudanças entre as edições de "Belousov-Zhabotinsky"

De Física Computacional
Ir para: navegação, pesquisa
Linha 82: Linha 82:
 
Como o código para Belousov-Zhabotinsky terá apenas 2 dimensões o <math> \Delta f(h,t) </math> ficará da seguinte forma:
 
Como o código para Belousov-Zhabotinsky terá apenas 2 dimensões o <math> \Delta f(h,t) </math> ficará da seguinte forma:
 
:<math>\nabla^{2}f(h,t) = \frac{\partial^{2} f}{\partial x^{2}} + \frac{\partial^{2}f}{\partial y^{2}}</math>
 
:<math>\nabla^{2}f(h,t) = \frac{\partial^{2} f}{\partial x^{2}} + \frac{\partial^{2}f}{\partial y^{2}}</math>
:<math>\nabla^{2}f(h,t) = \frac{f(x+dh,y,t)+f(x-dh,y,t)+f(x,y+dh,t)+f(x,y-dh,t)-4f(x,y,t)}{dh^{2}} </math>
+
:<math>\nabla^{2}f(h,t) = \frac{f(x+dh,y,t)+f(x-dh,y,t)+f(x,y+dh,t)+f(x,y-dh,t)-4f(x,y,t)}{\Delta h^{2}} </math>
 
De modo a simplificar a expressão para analises posteriores, reescreveremos desta forma, considerando uma analise 2D:
 
De modo a simplificar a expressão para analises posteriores, reescreveremos desta forma, considerando uma analise 2D:
:<math>\nabla^{2}f(h,t) = \frac{f_{R}+f_{L}+f_{U}+f_{D}-4f_{C}}{dh^{2}} </math>
+
:<math>\nabla^{2}f(h,t) = \frac{f_{R}+f_{L}+f_{U}+f_{D}-4f_{C}}{\Delta h^{2}} </math>
  
  
Linha 91: Linha 91:
  
  
:<math> \epsilon \frac{u_{i,j}^{n+1} - u_{i,j}^{n}}{Dt}= u_{C}(1-u_{C}) + f\frac{q-u_{C}}{q+u_{C}}v_{C} + D_{u} \left(\frac{u_{R}+u_{L}+f_{U}+u_{D}-4u_{C}}{Dh^{2}}\right)</math>
+
:<math> \epsilon \frac{u_{i,j}^{n+1} - u_{i,j}^{n}}{\Delta t}= u_{C}(1-u_{C}) + f\frac{q-u_{C}}{q+u_{C}}v_{C} + D_{u} \left(\frac{u_{R}+u_{L}+f_{U}+u_{D}-4u_{C}}{\Delta h^{2}}\right)</math>
  
:<math> u_{i,j}^{n+1} - u_{i,j}^{n}= \left[u_{C}(1-u_{C}) + f\frac{q-u_{C}}{q+u_{C}}v_{C} + D_{u} \left(\frac{u_{R}+u_{L}+u_{U}+u_{D}-4u_{C}}{Dh^{2}}\right)\right]\frac{Dt}{\epsilon}</math>
+
:<math> u_{i,j}^{n+1} - u_{i,j}^{n}= \left[u_{C}(1-u_{C}) + f\frac{q-u_{C}}{q+u_{C}}v_{C} + D_{u} \left(\frac{u_{R}+u_{L}+u_{U}+u_{D}-4u_{C}}{\Delta h^{2}}\right)\right]\frac{\Delta t}{\epsilon}</math>
  
:<math> u_{i,j}^{n+1} = u_{C} + \left[u_{C}(1-u_{C}) + f\frac{q-u_{C}}{q+u_{C}}v_{C} + D_{u} \left(\frac{u_{R}+u_{L}+u_{U}+u_{D}-4u_{C}}{Dh^{2}}\right)\right]\frac{Dt}{\epsilon}</math>
+
:<math> u_{i,j}^{n+1} = u_{C} + \left[u_{C}(1-u_{C}) + f\frac{q-u_{C}}{q+u_{C}}v_{C} + D_{u} \left(\frac{u_{R}+u_{L}+u_{U}+u_{D}-4u_{C}}{\Delta h^{2}}\right)\right]\frac{\Delta t}{\epsilon}</math>
  
  
Linha 101: Linha 101:
  
  
:<math> \frac{v_{i,j}^{n+1} - v_{i,j}^{n}}{Dt}= u_{C}-v_{C} + D_{v} \left(\frac{v_{R}+v_{L}+v_{U}+v_{D}-4v_{C}}{Dh^{2}}\right) </math>
+
:<math> \frac{v_{i,j}^{n+1} - v_{i,j}^{n}}{\Delta t}= u_{C}-v_{C} + D_{v} \left(\frac{v_{R}+v_{L}+v_{U}+v_{D}-4v_{C}}{\Delta h^{2}}\right) </math>
  
:<math> v_{i,j}^{n+1} - v_{i,j}^{n}= \left[ u_{C}-v_{C} + D_{v} \left(\frac{v_{R}+v_{L}+v_{U}+v_{D}-4v_{C}}{Dh^{2}} \right)\right] Dt </math>
+
:<math> v_{i,j}^{n+1} - v_{i,j}^{n}= \left[ u_{C}-v_{C} + D_{v} \left(\frac{v_{R}+v_{L}+v_{U}+v_{D}-4v_{C}}{\Delta h^{2}} \right)\right] \Delta t </math>
  
:<math> v_{i,j}^{n+1} = v_{C} + \left[ u_{C}-v_{C} + D_{v} \left(\frac{v_{R}+v_{L}+v_{U}+v_{D}-4v_{C}}{Dh^{2}} \right)\right] Dt </math>
+
:<math> v_{i,j}^{n+1} = v_{C} + \left[ u_{C}-v_{C} + D_{v} \left(\frac{v_{R}+v_{L}+v_{U}+v_{D}-4v_{C}}{\Delta h^{2}} \right)\right] \Delta t </math>
  
  
Linha 112: Linha 112:
  
 
{| class="wikitable" style="text-align: center;"
 
{| class="wikitable" style="text-align: center;"
!colspan="2"|BZ com <math>(e, q, f) = (0.2, 1.0e^{-3}, 1)</math>  <math>(D_u, D_v) = (10^{-5}, 10^{-5} )</math>
+
!colspan="2"|BZ com <math>(e, q, f) = (0.2, 10^{-3}, 1)</math>  <math>(D_u, D_v) = (10^{-5}, 10^{-5} )</math>
 
|-
 
|-
 
|[[Arquivo:U20k.gif|thumb|upright=4|none|alt=Alt text|BZ da concentração de <math> u  </math> até t = 20k.|500px]]
 
|[[Arquivo:U20k.gif|thumb|upright=4|none|alt=Alt text|BZ da concentração de <math> u  </math> até t = 20k.|500px]]
Linha 122: Linha 122:
  
 
{| class="wikitable" style="text-align: center;"
 
{| class="wikitable" style="text-align: center;"
!colspan="2"|BZ com <math>(e, q, f) = (0.2, 1.0e^{-3}, 1)</math>  <math>(D_u, D_v) = (10^{-5}, 10^{-5} )</math>
+
!colspan="2"|BZ com <math>(e, q, f) = (0.2, 10^{-3}, 1)</math>  <math>(D_u, D_v) = (10^{-5}, 10^{-5} )</math>
 
|-
 
|-
|[[Arquivo:U90000.png|thumb|upright=4|none|alt=Alt text|BZ da concentração de <math> u  </math> t = 90k.|500px]]
+
|[[Arquivo:U90000.png|thumb|upright=4|none|alt=Alt text|BZ da concentração de <math> u  </math> com t = 90k.|500px]]
|[[Arquivo:V90000.png|thumb|upright=4|none|alt=Alt text|BZ da concentração de <math> v </math>   t = 90k.|500px]]
+
|[[Arquivo:V90000.png|thumb|upright=4|none|alt=Alt text|BZ da concentração de <math> v </math> com t = 90k.|500px]]
 
|-
 
|-
 
|}
 
|}

Edição das 21h06min de 6 de abril de 2021

Belousov-Zhabotinsky Reaction

A reação de Belousov-Zhabotinsky[1] [2] (BZ) consiste em uma família de reações químicas oscilatórias descobertas inicialmente por Belousov, e posteriormente analisadas por Zhabotinsky. A reação consiste em 3BrO3 + 5CH2(CO2H)2 + 3H+ → 3BrCH(CO2H)2 + 4CO2 + 5H2O + 2CH2O2, e demonstra um comportamento oscilatório não linear até atingir o equilíbrio químico. A interação entre a reação e a difusão dos produtos químicos no espaço resultará na auto-organização de ondas viajantes dinâmicas. Seu mecanismo original, foi descrito através de 27 espécies químicas e um total de 80 reações.

Alt text
Reação de Belousov-Zhabotinsky em uma placa de Petri.

Oregonator

Oregonator[2] é um modelo matemático utilizado para descrever de forma mais simples a dinâmica da reação BZ, desenvolvido por Field e Noyes (1974). Foi um modelo não espacial originalmente composto por três variáveis de estado, onde posteriormente, vemos que tornam-se apenas duas. O mecanismo é, inicialmente composto por cinco etapas irreversíveis, onde, A = 3BrO3 -, B = 5CH2(COOH)2; 2HCOOH, 3BrCH(COOH)2 (no geral, estas e demais espécies orgânicas); P = HOBr; X = HBrO2; Y = Br-; Z = forma oxidada do catalisador e f = Coeficiente estequiométrico.

A + Y X + P
X + Y 2 P
A + X 2 X + 2 Z
2 X A + P
B + Z Y

Aplicando, então, as equações de taxa, onde v é a taxa da reação e ki corresponde às constantes de taxa de reação:

v1 = k1 [A][Y] v2 = k2 [X][Y] v3 = k3 [A][X] v4 = k4 [X]2 v5 = k5 [B][Z]

Para construir o modelo Oregonator, é necessário supor que as concentrações de A e B permaneçam constantes (estão associadas às concentrações iniciais dos precursores). Posteriormente, deve-se aplicar as técnicas padrão de cinética química para obter o modelo dinâmico considerando X, Y e Z como variáveis dinâmicas, assumindo que as reações químicas são elementares, ou seja, os coeficientes estequiométricos coincidem com a potência das variáveis dinâmicas. Considerando como o tempo, vemos as seguintes equações de velocidade:

A análise é simplificada convertendo essas equações em uma forma adimensional:

A partir de operações algébricas com as equações acima, obtemos para x, y e z, o seguinte sistema de equações diferenciais não lineares:

Onde , e . Como parâmetro , é possível considerar a aproximação do estado estacionário da variável y[3] , portanto, então as equações são reduzidos para:


Dessa forma, o modelo de Oregonator mostra a forma típica de um sistema de feedback químico, ou seja, a variável x, que será reescrito como u, funciona como um ativador, enquanto a variável z, que será reescrita como v, tem o papel de inibidor. Se para as equações termos associados à difusão são adicionados, onde Du e Dv são os coeficientes de difusão adimensionais, e é o operador Laplaciano, então, o sistema torna-se:

Implementação

Antes de discretizarmos a equação para que assim possamos utiliza-la em um código, explicaremos brevemente métodos e fórmulas utilizados para isso.

Método FTCS (Forward Time Centered Space)[4]

De modo a resolver numericamente as equações descritas acima, serão utilizado o método FTCS (Forward Time Centered Space), que consiste em um método para resolver equações parciais através da derivada parcial de primeira ordem no tempo por uma diferença finita e progressiva e a derivada parcial de segunda ordem no espaço por uma diferença centrada, como vemos logo abaixo:


Laplaciano

O Laplaciano pode tanto ser representado por quanto por . O laplaciano é a soma de todas as derivadas parciais simples de segunda ordem:

Seja

Como o código para Belousov-Zhabotinsky terá apenas 2 dimensões o ficará da seguinte forma:

De modo a simplificar a expressão para analises posteriores, reescreveremos desta forma, considerando uma analise 2D:


Aplicação dos Métodos para a Reação de Belousov-Zhabotinsky

Considerando a equação :



Considerando a equação :



Resultados

BZ com
Alt text
BZ da concentração de até t = 20k.
Alt text
BZ da concentração de até t = 20k.


BZ com
Alt text
BZ da concentração de com t = 90k.
Alt text
BZ da concentração de com t = 90k.


Programas Utilizados

Simulaçao Belousov-Zhabotinsky

Referências

  1. H. Sayama, "Introduction to the Modeling and Analysis of Complex Systems", p. 287. Open SUNY Textbooks, Geneseo, NY, 2015.
  2. 2,0 2,1 Harzola-Flores J.A., García E., Rojas J.F, Spatial and temporal dynamics of Belousov-Zhabotinsky reaction: A STEM approach (2020), Revista Mexicana de Física E 17 (2) 178–190
  3. http://www.scholarpedia.org/article/Oregonator#Eq-4
  4. https://pt.wikipedia.org/wiki/Esquema_FTCS